• mapasconfinamento

Teresa Guerreiro

Atualizado: 28 de fev.




COZINHADO


cozinho a ansiedade

em lume brando

mantenho esta angústia

em banho-maria

águas tépidas de medo

contido

fermentação lenta

de tristeza enfarinhada


separo as dores gordurosas

das mais secas

e cozo-as em águas

separadas


os pânicos preparam-se

à parte

dos mais leves aos mais

negros

em momentos distintos

de confeção


e espero

... conseguir

não fugir





POEMA RESPIRATÓRIO


Ar-mar

Ar-poar

Ar-tilhar

Ar-rasar

Ar-repender

Ar-rebatar

Ar-repiar

Ar-der

Ar-ar


O meu coração


Falta-me o ar




--




Farta

Farta disto

Farta do medo

Farta de falar do medo

Farta de especular o medo

Farta de comer e vomitar o medo

Farta de fingir que não há medo

Farta de hiperbolizar o medo

Farta de sentir este medo

De respirar de existir

De viver sem sorrir

Deste persistir

Do medo

Em mim


É tempo de sair de dentro do medo

É tempo de perceber o momento

É tempo de percorrer o tempo

É tempo de encarar o medo

De pensar sem congelar

A capacidade de pensar

Para não sucumbir à chapada

Para ir além do medo-momento

Para caminhar sem medo do vento



 

Nascida no Monte Estoril, atualmente a residir em Elvas, é professora de Português e professora bibliotecária, profissão que exerce há quase 30 anos. Mãe de dois filhos sempre a crescer, fotografa por prazer, escreve por necessidade, lê porque a alma também precisa de oxigénio para respirar. A poesia tem lugar cativo nas suas preferências de leitura e escrita, desde que aprendeu a ler e escrever. A pandemia foi palco para intensa reflexão escrita.

169 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo