alice W R.jpg

Alice WR

Artista visual e fotógrafa freelancer, com trabalhos de cariz autoral e documental. Fotografa, as mais das vezes, com a estética num olho e a contemplação no outro, procurando nos espaços onde se move aquilo que os define. Parte de uma representação subjetiva e emocional da realidade, procurando usar a lente para transfigurar o real e para o carregar da poesia que ele parece não ter. Participa em projetos artísticos e expõe individual e colectivamente nas modalidades de fotografia e pintura. Formadora e Facilitadora de tertúlias e debates sobre fotografia.

Ana Carvalho

É tradutora e vive em Amesterdão. É autora da nossa fotografia de perfil. Fez o mestrado em Literaturas Germânicas em Leipzig e o leitorado na Humboldt-Universität em Berlim. Trabalhou como tradutora para a União Europeia. Colaborou como fotógrafa para várias revistas e participou em inúmeras exposições, tanto individuais como coletivas. Com o marido, Harrie Lemmens, criou a Zuca-Magazine, uma revista de literatura e fotografia, onde é responsável pelo design gráfico da edição digital e em papel. Contribuiu para dois números temáticos publicados por uma editora holandesa: um dedicado à poesia e outro a Fernando Pessoa.

ana_carvalho.JPG
Ana Gilbert.jpg

Ana Gilbert

Nasceu no Rio de Janeiro, Brasil. É psicoterapeuta, pesquisadora e fotógrafa. É um dos membros fundadores (e autora) da Editora Minimalista, em colaboração com escritores de Portugal. O seu envolvimento com imagens, palavras e imaginação levou-a a uma interseção entre fotografia e literatura, trabalhando com imagens como narrativas. Depois de muitos anos de publicações académicas, dedica-se à escrita ficcional. Tem como proposta criativa constante a transformação de palavra em fotografia e fotografia em palavra, em parceria com escritores e fotógrafos: fotografa palavras (as próprias e as dos outros); escreve fotografias. Administra o blog Sutilezas do Olhar e é colaboradora no blog coletivo Fotografar Palavras. 

www.anagilbertphotography.blog

Ana Moderno

Nasceu em Pombal. Formada em Comunicação Cultural, Museologia e Intervenção e Animação Artísticas, exerce a sua atividade profissional como conservadora de museus desde 2005. Mantém, paralelamente, a paixão pelas artes performativas, integrando o Nariz – Teatro de Grupo, em Leiria; pela escrita, fazendo parte do coletivo editorial Minimalista, junto com 11 autores; e, em diversos projetos,  pela fotografia.

Carla de Sousa

Natural de Luanda, Angola, vive em Leiria. A fotografia tem sido, desde 2012, a sua principal forma de expressão artística. Através das suas imagens, busca a poesia do quotidiano em detalhes minimalistas e estudos de luz, utilizando o corpo e a auto representação, simultaneamente, como ferramenta de autoconhecimento e de performance poética.

Céline Gaille

Fotógrafa francesa, reside em Toulouse, depois de ter passado por Paris, Lisboa, Roma e Nova Iorque. A sua escrita pessoal alimenta-se do questionamento sobre o facto de se ser “estrangeiro”, o sentimento de exílio, a identidade e as origens. Depois de uma estadia em Lisboa, publicou uma monografia sobre o segredo de família e a manipulação fotográfica: “Accepte-le, un álbum portugais 1919-1979”, editora The Eyes Publishing – um trabalho que deu lugar a uma exposição no quadro do festival "Encontros da imagem" em Braga, 2016. 

www.celinegaille.com

PORTRAIT_CELINE GAILLE.jpg
cristinavicente_edited.jpg

Cristina Vicente

Nasceu na Venezuela e reside em Estarreja, cidade enquadrada numa zona de paisagens privilegiadas da Ria de Aveiro. A paixão declarada pela fotografia acabou por criar uma forte interacção com a escrita e foi assim que começou a colaborar no blogue Fotografar Palavras. Desde abril que tem o seu próprio projeto, Do pó dos dias infindáveis. Irá publicar na editora Minimalista em 2022.

Frankie Boy

Frankie Boy é o alter ego de Licínio Florêncio. Em 2018 e 2019 foi selecionado para o “Le plus grand concours photo du monde” da revista PHOTO, e em 2019 e 2020, para Pinhole Porto Photography na Galeria Mira Forum. Em 2020 participou na Exposição Fotografar Palavras no Museu Mimo em Leiria. Em 2020, foi selecionado para o 6th Fine Art Photography Awards in Nude Category, recebeu uma menção honrosa no ND Awards 2020, e foi selecionado para a Dodho Magazi e Monovisions Photography Awards.

www.frankieboy.pt

Frankie Boy.JPG
goretti_edited.jpg

Goretti Pereira

Natural da Ilha de S. Miguel, Açores, cresceu nas Bermudas e mudou-se para Londres nos anos oitenta, onde trabalhou no setor financeiro até se reformar. O seu interesse pela fotografia começou de forma casual e foi-se desenvolvendo com a exploração de técnicas tradicionais a preto e branco e digitais a cores. Tem um interesse particular por edifícios arquitetónicos, paisagens urbanas e rurais, e uma dedicação especial à fotografia analógica a preto e branco, cuja técnica de revelação ela sente como terapêutica. Para ela, fotografar é mais do que captar o momento certo; mas antes, captar uma sucessão de imagens intemporais, cada uma com uma história para contar, através da imaginação. Tem participado em várias exposições individuais e coletivas em Greenwich, Londres.

Jordi Burch

Nasceu em Barcelona, cresceu em Lisboa e vive em São Paulo. Estudou no Ar.Co e pertenceu ao coletivo Kameraphoto. Publicou em vários jornais e revistas. Expôs no Museu Nacional de Arte Antiga, na Plataforma Revólver, no Museu AfroBrasil, nos Encontros da Imagem, na Fundação EDP, no PhotoEspaña, no Centro Cultural de Luanda, entre outros. Em 2015, publica o seu primeiro livro: Havia Sol e Éramos Novos.

José Luís Jorge

É natural de Leiria, onde reside. Licenciado em Comunicação Social. Tem trabalhos publicados em jornais e revistas, como o Diário de Leiria, Jornal de Leiria, Região de Leiria, Diário de Notícias, Público, Sol, Expresso, Visão, Tempo Livre, Invest, Volta ao Mundo, Preguiça Magazine, Up Magazine e Modernism.ro – Magazine Romeno de Arte. Tem desenvolvido trabalho na área da fotografia documental para empresas e entidades oficiais, (municípios, CEPAE, Embaixada da Roménia em Portugal, Instituto Cultural Romeno, Direção Geral do Património Cultural, Fundação EDP, Fundação INATEL, Águas do Centro Portugal), em simultâneo com projetos pessoais. É autor do livro O Cheiro das Especiarias e do e-book A Reinvenção dos Dias e co-autor de Os Trabalhadores Laneiros no Distrito de Leiria e Sensibilidades 25. Participou em diversas exposições individuais e coletivas em Portugal Espanha, Alemanha e França. Em 2019 foi o vencedor do Prémio Internacional Books & Movies.

Juliana Monteiro Carrascoza

Nasceu no Rio de Janeiro e vive em São Paulo, onde cursou Letras e, desde então, trabalha com as palavras em salas de aula. Como fotógrafa, no ano de 2017, em co-autoria com o escritor João Anzanello Carrascoza, lançou o livro Catálogo de Perdas, composto por 40 fotografias e 40 contos. Essa obra foi selecionada pelo Festival ZUM, finalista do prêmio Jabuti e vencedora do prêmio FNLIJ. Além de participar de exposições coletivas em galerias, festivais de fotografia e no MIS-SP, Juliana publicou, em edições independentes, Pandora (2020) e Aprendiz (2021).

Fotografia de ©Vitor

lucas.jpg

Lahissane

Identificação artística de Lucas Silvestre Maxlhaieie. Nascido em Maputo, Moçambique, vive atualmente na Província de Gaza. Licenciado em direito pela Escola Superior de Economia e Gestão, é jurista e professor primário na Vila de Caniçado Guijá. Em 2017, recebeu o prémio de Destaque literário no 27ᵒ Concurso Internacional de poesia ALPAS 21, Brasil. Publica nas revistas Mahungo, Soletras, Xitende (nacionais) Incomunidade (Portugal) e no Jornal Correio da Palavra (Brasil). É membro da Associação Cultural Xitende, poeta, declamador, fotógrafo, organizador de saraus culturais e promotor de festivais de poesia nas escolas secundárias da Província de Gaza.

Manuela Vaz

Natural do Porto. Tem a fotografia como forma de expressão para contar histórias. Fez formação no Instituto Português de Fotografia, 2006. Em 2018 concluiu o Master em Fotografia Artística no Instituto Português de Comunicação e Imagem (IPCI). Expõe regularmente os seus trabalhos desde 2000, em exposições individuais e coletivas em Portugal e no estrangeiro. A referir, em Espanha, Finlândia, França, Luxemburgo, Rússia e Sérvia. Tem trabalho publicado em livros e em revistas da especialidade, e obras suas em coleções privadas.

www.instagram.com/manuelavaz/

fotografia-de-perfil.png

Mónica Brandão

Natural de Coimbra e licenciada em Design de Comunicação pela Escola Universitária das Artes de Coimbra, onde teve oportunidade de estudar várias áreas, como a Fotografia. Em 2021, o seu trabalho foi selecionado como a melhor fotografia de autoria portuguesa no concurso Mira Mobile Prize, com o tema “Em Casa”. Em 2020, os seus poemas fizeram parte da antologia poética “Eu, Ela, Nós Mulheres”. Estuda escrita criativa, música e teatro.

Ozias Filho

Natural do Rio de Janeiro, é poeta, fotógrafo e editor. Autor de Poemas do dilúvio, Insulares, Páginas despidas e O relógio avariado de Deus. Como fotógrafo, tem vários livros publicados, e exposições, onde se destaca Ar de Arestas, no Museu de Arte Moderna Murilo Mendes, no Brasil; e integrou a iniciativa Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017, com o ensaio Quasinvisível. Vive em Portugal desde 1991. É editor nas Edições Pasárgada. Assina a coluna Quem eu vejo quando leio, para o Jornal Rascunho.

ozias_filho.jpg

Fotografia de © Raquel Barata

Rafael Vieira

Nasceu em Coimbra, onde estudou arquitetura. Estagiou num atelier-quinta no hinterland coimbrão, trabalhou em Barcelona e depois em Lisboa. Em Lisboa, onde se demorou uma década, trabalhou na sua área até que a construção estagnou. Criou uma empresa na LX Factory e editou a DIF e a Le Cool Lisboa, além de ter escrito para outros meios. Integrou a associação Movimento Acorda Lisboa. Viveu em Antuérpia, Luxemburgo, Siracusa e Viterbo. Voltou para Coimbra, arrancou com um mestrado em Reabilitação de Edifícios e continua a trabalhar em arquitetura. Escreve para a Parq, Bica e Coolectiva. Mantém a página Coimbrastreetart no Instagram.

Sílvia Bernardino

Nasceu em Leiria e licenciou-se em Arquitetura pela Escola Universitária das Artes de Coimbra (EUAC) em 1998. Em 2007 fundou o atelier ONZE, em parceria com o Arq Paulo Azevedo Pinto, na cidade de Leiria, onde exerce a sua atividade profissional até hoje. Em 2013 criou o projeto IMPROVISO®️.

silvia_bernardino_edited.jpg

Sónia Silva

É licenciada em Artes Gráficas e reside há vários anos no Reino Unido. Manteve, desde a infância, a paixão pela fotografia, tendo feito também trabalhos de fotografia editorial. É na narrativa de histórias, e na sua expressão subjetiva e individual através da imagem, que tem desenvolvido muitos dos seus projetos pessoais. Realizou exposições individuais no Reino Unido e participou recentemente na exposição ”Fotografar Palavras” no Museu da Imagem em Movimento em Leiria. Colabora também como criativa na Minimalista, editora independente.

Susana Gonçalves

É professora no Ensino Superior. Escreve regularmente sobre Arte e a sua função na sociedade contemporânea, tendo coordenado a obra ‘Art in diverse social settings’ (2021, Emerald). O seu trabalho artístico dispersa-se pela fotografia e pelas as artes visuais (pintura, desenho, arte digital e instalação site specific) e tem sido apresentado regularmente em exposições individuais e coletivas. Pertence aos coletivos ‘Pescada nº 5’ e ‘Albertinas’ e está representada no INstantes, Festival de Fotografia de Avintes (maio 2021).

IMG_20210309_181930_842.jpg

Teresa Bret Afonso

Natural de Caminha. Gosta de percorrer o mundo de mochila às costas. Nas suas viagens, que podem ser até ao lado de casa ou à outra ponta do globo, parte à descoberta da autenticidade, da simplicidade, de sorrisos e cheiros, de um quotidiano diferente. E da vontade de eternizar o que vê e sente, nascem as imagens que vai partilhando em blogues ou exposições coletivas.

Teresa dos Santos

Nasceu na Alemanha e vive na Maia. Descobriu o interesse pela fotografia desde cedo, mas só agora tem vindo a explorar esta área com crescente entusiasmo e dedicação, tornando-se uma forma de comunicação e expressão de emoções, uma partilha da sua visão da vida e do mundo, uma busca de si própria e do outro. O seu trabalho fotográfico pode ser seguido nas plataformas Instagram e Ello, tendo já sido destacado pelo jornal Público, bem como em diversas páginas de fotografia. Participa regularmente no projeto coletivo Fotografar Palavras.

www.instagram.com/tes.mary.sant/

www.ello.co/teresaforever

175195813_324023385931271_30862276839212