top of page
  • Foto do escritormapasconfinamento

Phoe McCallum



Traduzido do inglês por Gabriela Ruivo




LUTA GLOBAL CONTRA AS LEIS ANTI-ABORTO


Instalação artística



Easy Way Out (saída fácil) é uma instalação artística em reação às leis anti-aborto que neste momento pululam por esse mundo fora. Tem como objetivo prestar homenagem à força e coragem das muitas pessoas que abortaram e refutar o estereótipo ultrapassado de que a interrupção da gravidez é a “saída mais fácil”.


Em Março de 2023 iniciarei um curso de Direitos Humanos em Buenos Aires, que tem por princípio colmatar a lacuna existente entre a realidade do sistema de saúde sul-americano e as mulheres que necessitam de cuidados de saúde sexual e reprodutiva. Apesar de já existirem algumas opções pró-escolha, estas continuam inacessíveis a muitas mulheres devido ao receio e à vergonha tão fortemente enraizados na cultura latino-americana. Creio que a ação política através da arte, particularmente no sentido não tradicional, representa a forma de comunicação mais eficaz quando se tratam estes temas tabu.


A minha ambição é que as mulheres se sintam respeitadas nas suas escolhas e autonomia corporal ao visitarem este projeto, e que ao mesmo tempo vejam nele representadas a dureza e dificuldade das suas vivências. Por outro lado, este projeto questionará os tabus sexistas existentes na sociedade latino-americana e será uma forma de estimular o diálogo sobre direitos menstruais e reprodutivos.


A minha principal inspiração é a pintora Paula Rego, cujo trabalho pude ver pessoalmente no ano passado na Tate Gallery. A sua coleção sobre o aborto traz à luz a força imortal das mulheres que se submetem a abortos secretos e clandestinos; ela pinta sem qualquer intenção de glorificar ou romantizar o procedimento, retratando corpos femininos robustos e musculados, distanciados do olhar masculino.


Partindo da admiração pelo seu trabalho, tentei incorporar o conceito de musculatura feminina na minha própria arte, usando cores fortes e tradicionalmente “não femininas” para dar uma aparência potente e vigorosa ao corpo de mulheres que, de outra forma, se apresentaria apenas nu.



(Esta coleção encontra-se também disponíveis na nossa Galeria)

 

Phoe considera-se um/a artista político/a e ativista, com um fascínio particular por esculturas multimédia de peso e interventivas: a conexão entre injustiça política e temas tabu a impulsionar a sua narrativa artística. Como indivíduo não binário, sempre teve uma relação desconfortável com a menstruação, no entanto, essa relação é sua e merece permanecer totalmente separada da questão política. Por sua vez, essa essência de autonomia corpórea fortalece o seu trabalho artístico, uma vez que incorpora o grotesco com o objetivo de desafiar o público e tornar a limitação dos direitos reprodutivos uma questão inescapável para todos.


Gabriela venceu o prémio LeYa com o seu primeiro romance, Uma Outra Voz, em 2013 (LeYa, 2014, Prémio PEN Primeira Obra 2015). Publicou o livro infantil A Vaca Leitora (D. Quixote, 2016), o livro de poesia Aves Migratórias (On y va, 2019), a coletânea de contos Espécies Protegidas (On y va, 2021) e o livro de poesia Uma Mulher de Palavra (edição de autor, 2022). Traduziu o livro Uncle Tom's Cabin, de Harriet Beecher Stowe (Sibila Publicações, 2020). Participou em várias antologias de poesia e conto. Dirige a livraria online Miúda Books, dedicada à literatura infantil de língua portuguesa. É mentora deste projeto, juntamente com Nuno Gomes Garcia.

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page