top of page
  • mapasconfinamento

Paulo José Costa





3 POEMAS





Hoje deixei a cidade

e entreguei ao mar

certas saudades de criança.

Enlacei o olhar no horizonte

e corri, sem prazo ou demora

lançando sobre as cristas das ondas

um fôlego de glória, mais que fuga

na lonjura, silvo de sal

em meu sonho inaudito.


Depois, tornei ao mudo espanto das tardes,

ao assombro dos recados que há na espuma

como se o mar deixasse na pele

a delonga de um poema

erigido na quimera de um grito.







É de novo o tempo das magnólias,

de sorver os seus pomos de púrpuro veludo

erguidos na direcção das luminescências do frio.


É sempre um fortúnio

esta perfeição da serenidade

que seduz a vida no caudal da esperança,

clarividência entre as vertigens do inverno

e os segredos da primavera.


Sabes, o fulgor não se esgota

no fragmentar dos sentidos

sempre que o silêncio nos amacia

a aspereza e os abismos

da pele.


E então, a incerteza é o olhar do infinito,

a sua janela entreaberta sobre o susto e o deslumbre.







SUBMERSÃO


As aves sustêm o corpo

sob os instantes em que viajam.

E permanecem nessa voragem

em que consentem o dom silente

à planura dos ventos.

Ou evocam somente um retorno

ao fulgor das primaveras em que renasceram.


É nisto que alguns homens se aproximam das aves:


no seu movimento ininterrupto de liberdade,

ocupados por sonhos e risos,

submergindo-se em bandos de distância

como se recriassem o seu inapreensível território

onde se conciliam com a exaustão do sublime.



 

Paulo José Costa nasceu em Leiria, onde reside e exerce actividade profissional enquanto Psicólogo Clínico. No domínio da Poesia, publicou Sopro da Voz (2011); Vizinhança de Olhares (2014); Casa Alta (2017), finalista da short-list dos Prémios Pen Clube Português (Categoria Poesia), Se um Dia Voltares (2019) e Nas suas Casas os Homens (2021). Encontra-se representado em diversas antologias de poesia em Portugal e Espanha; integra o projecto poético-musical CASA-NAU e tem colaborado na programação do Evento Literário RONDA – Leiria Poetry Festival na cidade de Leiria. É co-editor da ACANTO – Revista de Poesia.

39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page