• mapasconfinamento

Deusa d'África





TENCEIRO


Prendem a alma os portões da cidade descalça caminha à cela o espírito do réu chave oxidada chega às mãos do opressor a posse e possessão passam pelos crivos a lei não prevê a detenção de errantes cravos entretanto, curva-se entre os pulsos escravos algema a alma ao condenado fedor de seu tenceiro grades pequenas ou maiores retém a alma pequena chave inoxidável abre a mente para que o espírito se liberte tosse e cospe sangue ao chão o mundo sob o jugo do dominador alfinete enfiado do chão ao cume prende a língua entre os lábios na manhã seguinte nasce o sol dentro da cela na gaiola pendurada

à árvore de natal posta à praça da cidade sobre o martelo de injustiça.



IMUNIDADE

Nascemos em bairros onde a luz acende-se à pólvora vagueamos às escuras sonhando com armas iluminantes aos gritos de liberdade pelos quais consciência se esfaima escassa água nunca mais jorrou das torneiras sangrentas

vacinadas ao arcaboiço físico dando robustez à estrutura um canhão potente abre novo curso entre fossos de ideais uns perecem pra que outros sobrevivam à emulação vérmica

insufla-se Homens a provar do banquete da morte silenciosa abrem-se corpos à facada e golpes para que sangue jorre

e sirva-se à paixão pela cruz o jarro na mesa do peregrino.



MAR TRISTE


Queima o corpo ao fogo ateado pelo espírito

evasivo sentimento que cerca o ser

enche a garrafa inteira de medo

seja refrigerador ou inflamante

ele trepa as varandas da casa

com a luz do vaga-lume a seu palato

porções de angústia sorvem o corpo intragável

sinalização do oceano engole a terra e seus limites

mangais afogam às ondas de água erigida pelo destino

o dia nunca repete mesmas tristezas do dia transacto

rememora a dor com as toalhas usadas para limpar

a tristeza banhada pelas águas do mal no ocenado

renascem renovadas e com novas lágrimas a tolher

tanques suportados pelos grandiosos edifícios de miséria

do sentimento agreste em paredes desgastadas pelo tempo.



POEMA DESCONFINADO


Levantou a cama abissal de plástico

com rouquidão na voz da alma peregrina

arcaboiço munido de arsenal da profundeza do sono

naufragou às aguas do tempo rejubilado na mente

ao ritmo de uma voz lânguida, mas vivente,

como Lázaro deixou se chamar pelo destino

– Perseverai, homem!

Alfinetou a embarcação e saiu pela porta dos fundos

jogou a máscara ao chão e lavou a língua a álcool

desinfectou novos e velhos caminhos por perlustrar

vacinou as costelas da camisa de forças

saiu à multidão e espirou sobre a luz

que solapou aos enamorados por se ilustrar

desconfinados num afectuoso abraço

o beijo ao queixo desinfectou os ombros

carregados de cor num barril de afecto

comoveu para os demais o desafecto

à aluída arquitetura dos anéis do olhar

com furados pneus acendeu as luzes do olhar

prendeu a dúvida ao calabouço da cogitação

não houve matéria por se questionar o acto

porém, houve ligeireza na prontidão do auto

confinando a consciência desconfinada em celas do tempo.




Deusa nasceu em Moçambique, é mestre em Contabilidade e Auditoria. Professora na Universidade Pedagógica e na Universidade Politécnica, e Gestora Financeira do Projecto Global Fund – Malária. É representada pela agência literária Capítulo Oriental. Publicou em vários jornais e revistas, é colaboradora da revista portuguesa InComunidade e colunista do jornal Correio da Palavra. Participou e organizou várias antologias. É coordenadora geral da Associação Cultural Xitende e curadora de Festivais Internacionais de Poesia, entre outros. Escreveu A voz das minhas entranhas (poesia, Fundac, 2014), Ao encontro da vida ou da morte (poesia, Letras de Angola, 2016) e Equidade no Reino Celestial (romance, Letras de Angola, 2016). Alguns dos seus trabalhos foram traduzidos para sueco.


Deusa was born in Mozambique and has an MA in Accountancy and Auditory. She teaches at the Universidade Pedagógica and Universidade Politécnica, and she's a financial manager for the Global Project Fund – Malária. She's represented by the literary agency 'Capítulo Oriental'. She contributed to a number of newspapers and magazines, is a regular contributor to the Portuguese magazine InComunidade and is a columnist for the newspaper Correio da Palavra. She organised and contributed to a number of anthologies. She's the general coordinator of the Cultural Association Xitende and curator at International Festivals of Poetry. She wrote A voz das minhas entranhas (poetry, Fundac, 2014), Ao encontro da vida ou da morte (poetry, Letras de Angola, 2016) and Equidade no Reino Celestial (novel, Letras de Angola, 2016). Some of her work has been translated into Swedish.


Née au Mozambique, Deusa est titulaire d’un master en comptabilité et audit. Professeure à l’Université pédagogique et à l’Université polytechnique, directrice financière du projet du Fonds mondial – Paludisme, elle est également coordinatrice générale de l’Associação Cultural Xitende et commissaire de festivals internationaux de poésie. Elle a participé et organisé plusieurs anthologies. Elle a publié dans plusieurs journaux et magazines, elle est chroniqueuse pour le journal Correio da Palavra et collabore au magazine portugais InComunidade. Elle est l’autrice de A voz das minhas entranhas (poésie, Fundac, 2014), Ao encontro da vida ou da morte (poésie, Letras de Angola, 2016) et Equidade no Reino Celestial (roman, Letras de Angola, 2016). Certaines de ses œuvres ont été traduites en suédois. Elle est représentée par l’agence littéraire Capítulo Oriental.

120 views0 comments

Recent Posts

See All